Perfumes parte 1

 


Como surgiram os perfumes
A arte da elaboração do perfume nasceu no Egito, os egípcios cuidavam muito de sua higiene pessoal, tinham hábito de lavar-se ao acordar, e também antes e depois das principais refeições; além de água, usavam uma pasta de argila e cinzas, a suabu, que era uma espécie precursora do atual sabonete; a seguir, friccionavam o corpo com incenso perfumado.Do Egito, os perfumes transpuseram os limites dos tempos e das pirâmides, e se transformaram em um acessório apreciado pelos ricos mortais, ao invés de ser privilégio unicamente dos deuses e dos mortos; assim, os sacerdotes aos poucos transformaram seus templos em autênticos laboratórios de ” Perfumes Artesanais “. Por volta de 2000 a.C., os primeiros clientes foram os faraós e os membros importantes da corte; logo, o uso do perfume se difundiu; trazendo um agradável toque de frescor ao clima quente e árido do Egito.A necessidade de contar com essências refrescantes tornou-se tão fundamental que a primeira greve da história da humanidade foi protagonizada em 1330 a.C. pelos soldados do faraó Seti I, que pararam de fornecer unguentos aromáticos. Pouco depois (1300 a.C.), coube ao faraó Ramsés II enfrentar uma revolta de peões em Tebas, que estavam indignados com a escassez de rações de comida e de unguentos.

A partir da Espanha foi introduzido em toda a Europa durante o Renascimento. Foi na França, a partir do século XIV, onde se cultivavam flores, que ocorreu o grande desenvolvimento da perfumaria, permanecendo desde então como o centro europeu de pesquisas e comércio de perfumes.
O que é o perfume

A palavra perfume deriva do latim, ‘perfumum’, que significa Per (através) + Fumum (fumaça).
A fragrância de um perfume é um complexo sistema de substâncias originalmente extraídas de algumas plantas tropicais ou de alguns animais selvagens. Recentemente,o perigo de extinção de certas espécies vegetais e animais e a busca de novas essências, inclusive de menor custo, conduziu a química dos perfumes aos laboratórios, onde são criados os produtos sintéticos que têm substituído paulatinamente os aromas naturais.

Um outro aspecto curioso é que as fragrâncias que encontramos em detergentes, amaciantes e produtos de limpeza são, com freqüência, as mesmas usadas na fabricação de perfumes.
Antigamente os perfumes eram feitos quase que exclusivamente de óleos essenciais.

Os óleos essenciais são obtidos por destilação de flores, plantas e ervas, tais como a lavanda (alfazema), rosas, jasmim, sândalo, frutas cítricas, bergamota etc. O perfume de jasmim se obtém através de um processo chamado “enfleurage”, que consiste em impregnar as substâncias aromáticas em cera e depois extrair o óleo com álcool. Também são utilizados compostos químicos aromáticos.

Os fixadores que aglutinam as diversas fragrâncias incluem bálsamos, âmbar cinzento e secreções glandulares de civetas e cervos almiscarados. Estas secreções sem diluir tem um odor desagradável, porém em solução alcoólica atuam como conservantes. Atualmente, estes animais estão protegidos em muitos países, por isso, os fabricantes utilizam almiscares sintéticos.
A quantidade de álcool depende do tipo de perfume que se quer obter. Normalmente, a mistura deixa-se envelhecer por 1 ano.
Tipos de perfumes

A concentração das essências e os outros componentes usados, configuram os variados tipos de perfumes, como os relacionados a seguir.
Extrato, Perfume ou Parfum

Corresponde ao produto mais nobre da linha, que também é o mais envolvente e o mais ricos dos produtos alcoólicos, possui a concentração mais alta de essência, que é cerca de 40% a 50%. Os perfumes são os que duram mais na pele e seus preços são mais elevados. Poucas gotas já garantem a quantidade necessária para nos deixar cheirosas por várias horas, em geral cerca de 12 a 20 horas.

Eau signifca água em francês e já indica uma diluição.
Eau de Parfum

Produto que permite um perfumar mais sutil e marcante ao mesmo tempo, onde a base perfumada é ligeiramente modificada e sua concentração menor de óleos e elixires, entre 18% a 25%. Nessa fórmula, 70% do aroma se perde em algumas horas e os 30% restantes permanecem por mais tempo, com duração total na pele entre 6 a 8 horas. Apresenta uma concentração que dá o melhor custo-benefício.
Eau de Toilette

Neste produto específico, a base perfumada é modificada para ressaltar as notas frescas e sua concentração pode variar de 5 a 12%. Em média 80% dos seus óleos evaporam em até 3 horas, com duração total na pele entre 4 a 6 horas.
Eau de Cologne

Neste tipo, a base perfumada é simplificada e as notas de cabeça são acentuadas, o que dá uma maior sensação de frescor, apresentando uma concentração de 3 a 5%, com duração efêmera e menor na pele, sendo ideal para o pós-banho. O poder de fixação na pele é de aproximadamente 4 horas.
Body Splash

Formada com apenas 1% de óleos aromáticos, pode ser utilizada várias vezes por dia.
Se mesmo assim ficar com dúvidas quanto à escolha do seu perfume você poderá seguir a seguinte orientação, para não errar na escolha: como vivemos num país tropical o dia-a-dia pede uma essência mais leve como as colônias à base de ervas aromáticas ou cítricas. Perfumes mais fortes podem ser usados à noite. Se a temperatura baixar abuse dos amadeirados, adocicados e orientais com especiarias.

Quando for comprar um perfume faça um teste na própria pele, aplicando o produto no pulso e no braço (esperando alguns minutos para cheirar). E evite provar mais de três fragrâncias no mesmo dia, é provável que fique confuso não consiga definir os cheiros de que mais gostou.
Clique Aqui para ver uma receita simples de Perfume

 

Na próxima parte da matéria sobre perfumes, discutiremos como se forma um perfume.

Outras Matérias que podem te interessar...

Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedInPrint this page
COMPARTILHE

2 thoughts on “Perfumes parte 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *